segunda-feira, 31 de maio de 2010

Gérmen de trigo: o cereal mais nutritivo

O gérmen de trigo é a parte mais nutritiva do grão do trigo devido à presença de vitamina B1, vitamina E, minerais, proteínas, fósforo, carboidratos, lipídios e ferro. Auxilia no funcionamento do corpo e protege as células dos radicais livres. Previne o envelhecimento precoce, pois é a principal fonte de vitamina E. Possui ácidos graxos insaturados como ácido mirístico, ácido palmítico, ácido palmitolêico, ácido esteárico, ácido olêico, ácido linolêico e ácido linolênico.
Consumo:
Consumir sobre frutas ou adicionar 1 colher de sopa de gérmen de trigo em iogurtes, shakes, etc.
Benefícios:
- Reduz a quantidade de açúcar no sangue;
- Antioxidante;
- Fortalece o sistema imunológico;
- Auxilia no crescimento celular;
- Regula o metabolismo;
- Protege a saúde do coração;
- Auxilia no funcionamento do intestino.

BCAA: aminoácidos que recuperam a musculatura

Suplemento muito consumido e conhecido por atletas e praticantes de atividade física, o BCAA é a junção de 3 aminoácidos de cadeia ramificada (valina, leucina e isoleucina) em um mesmo produto. Consequentemente esses aminoácidos estimulam a síntese proteica, fazendo a manutenção da massa muscular; recupera o músculo das lesões que se originam durante o exercício físico.
Indicação:
- Exercícios de longa duração;
- Anticatabólico;
- Recuperação muscular;
- Aumento ou manutenção da massa muscular;
- Diminuição da fadiga central.

O consumo de sódio (sal de cozinha) deve ser equilibrado

Além de estar presente na maioria dos alimentos, o sódio é ainda adicionado às preparações, podendo gerar um consumo excessivo.
A ingestão diária recomendada para uma pessoa saudável é de 2,4g (o equivalente a uma colher de chá de sal), mas em geral o brasileiro consome entre 4 e 6g por dia. Desse total, cerca de 75% é adicionado durante o preparo dos alimentos, com o objetivo de preservá-lo ou para lhe dar sabor, sendo o restante parte natural do alimento.
Por que devemos reduzir o sal?
- Equilibrar a pressão
- Prevenir o câncer de estômago
- Regular o funcionamento dos rins
- Diminuir a retenção hídrica.

Uva, proteção cardiovascular

Fruta rica em carboidratos, vitaminas A, B e C e minerais como cálcio, ferro, fósforo, magnésio, sódio e potássio, a uva apresenta flavonóides que aumentam as taxas de colesterol bom (HDL) e ajudam a inibir a produção de substâncias responsáveis pelo enrijecimento das artérias, prevenindo infartos. Capaz de dilatar as artérias e, consequentemente, reduzir a pressão sanguínea, apresenta aproximadamente 20 antioxidantes diferentes que funcionam em conjunto para combater os radicais livres. Os antioxidantes encontram-se na casca e nas sementes e, quanto mais vibrante for a cor da casca, maior o seu poder benéfico.
Consumir uvas brancas ou verdes não possui o mesmo efeito, pois não apresentam os flavonóides encontrados nas uvas pretas e rosadas. Deve-se dar preferência para o consumo da fruta fresca e não para a ingestão de sucos ou vinhos, pois estes apresentam açúcares e álcool.
Características:
- Antienvelhecimento;
- Combate doenças cardiovasculares;
- Previne o câncer;
- Combate dores articulares;
- Previne Alzheimer.

domingo, 30 de maio de 2010

Dieta funcional


A dieta funcional baseia-se na análise de sinais e sintomas. Previne, controla e cura o corpo de certas doenças, uma vez que o desequilíbrio de nutrientes pode gerar muitas enfermidades.
Alimentos funcionais:
Aveia:
Diminui o colesterol ruim, reduz a prisão de ventre e aumenta o colesterol bom.
Soja:
Reduz o colesterol ruim, previne de doenças cardiovasculares, auxilia no funcionamento do intestino, previne de câncer de mama e de próstata e reduz os sintomas da menopausa.
Tomate:
Protege e reforça o sistema imunológico, reconstituindo as células; previne do câncer de próstata.
Alho:
Diminui a pressão arterial, reduz o colesterol, previne de câncer e protege o coração.
Chá-verde:
Previne de tumores, retarda o envelhecimento e as doenças coronárias. Auxilia no emagrecimento.
Uva vermelha:
Evita o acúmulo de gordura nas artérias, prevenindo de doenças cardíacas e reduzindo o colesterol.
Azeite de oliva:
Previne de doenças cardíacas e reduz o colesterol.
Castanha-do-pará:
Antioxidante que previne de doenças cardíacas.
Peixes:
Reduz o colesterol, diminui as dores nas artrites e previne de infartos.

Vitaminas da gema do ovo


A gema do ovo é rica em gorduras, ácidos graxos saturados e monoinsaturados, ácidos poliinsaturados, colesterol, cálcio, fósforo, ferro, potássio, sódio, vitamina A e D, riboflavina e niacina. Nela encontramos uma substância chamada luteína, antioxidante que combate radicais livres.

Vitamina A:
Aumenta a resistência contra infecções, fortalece os dentes, unhas e cabelos e previne de doenças respiratórias.
Tiamina:
Fornece oxigênio para o cérebro, equilibra o sistema nervoso e diminui dores musculares e cólicas.
Riboflavina:
Necessária para a formação das hemácias, produção de anticorpos, respiração celular e crescimento.
B12:
Auxilia na formação dos glóbulos vermelhos, contribui para a memória e diminui a irritabilidade.
Vitamina E:
Oxidante que beneficia a fertilidade, retarda o envelhecimento, previne câimbras nas pernas e evita fadiga.
Biotina:
Auxilia o metabolismo, previne a calvície e diminui dores musculares.
Fósforo:
Forma os ossos e os dentes, previne pedras nos rins e auxilia no tratamento da diabetes.
Ferro:
Fornece oxigênio para o organismo, ajuda a formar o sangue, auxilia no tratamento da anemia e diminui as cólicas menstruais.

Vitaminas importantes que não podem faltar

Consequências da falta de vitamina A:
- anemia;
- cegueira;
- probabilidade de doenças respiratórias e diarréias;
- reduz a defesa do organismo;
- fontes de vitamina A: abacate, abóbora, acelga, brócolis, caju, cenoura, espinafre, mamão, pêssego, etc.
Consequências da falta de Zinco:
- cansaço;
- diarréia;
- queda de cabelo;
- problemas neurológicos;
- afeta o paladar e a visão;
- retarda o processo de cicatrização;
- raciocínio lento;
- reduz o apetite;
- afeta o vida sexual nos homens;
- fontes de zinco: carnes, leite e derivados, nozes, castanhas, cereais integrais, etc.
Consequências da falta de Iodo:
- prejudica a audição;
- raciocínio lento;
- prejudica o desenvolvimento cerebral;
- aumenta o nervosismo e a ansiedade;
- prisão de ventre;
- aumenta a sonolência, a fadiga e letargia;
- fontes de iodo: peixes, frutos do mar, leite, ovos, aveia, etc.
Consequências da falta de Ferro:
- cansaço;
- diminui o desenvolvimento físico e mental;
- em mulheres grávidas pode gerar problemas como hemorragia e infecção generalizada na hora do parto;
- nas crianças pode afetar o desenvolvimento intelectual;
- anemia;
- baixa imunidade;
- fontes de ferro: carnes, amora, brócolis, espinafre, curry, amêndoas, etc.

sábado, 29 de maio de 2010

Limão emagrece?

Essa fruta – barata e facílima de encontrar – ajuda, sim, a queimar as gordurinhas. Mas vá devagar com a dose. Três limões por dia são suficientes para você perder peso de maneira segura. Essa medida também aumenta a vitalidade e combate as ruguinhas precoces

http://4.bp.blogspot.com/_8V3NHJFURHs/SkHxCFjo20I/AAAAAAAAABg/ykZsDjuXey0/s400/lim%C3%A3o2.jpg
Desde os anos 1980, o limão tem a fama de queimar os excessos na cintura. Agora, o uso da fruta para emagrecer voltou à moda e até virou livro nos Estados Unidos. A versão em português do Master Cleanse (como a dieta da limonada é conhecida lá fora) acaba de chegar às livrarias (editora BestSeller, 272 páginas, 29,90 reais). Mas é bom você não se empolgar. O regime, que propõe passar dez dias à base de limão diluído em água com glicose e pimenta, sem nenhum alimento sólido, pode prejudicar gravemente a saúde. A antiga estratégia de beber o suco puro de vários limões, ainda em jejum, também é considerada pouco segura pela maioria dos nutricionistas. “Dependendo do organismo, a ingestão exagerada de limão pode agredir o estômago”, alerta a nutricionista Daniela Jobst, da Nutrijobst, em São Paulo. Mas não é por isso que você deve evitá-lo. Ao contrário, aposte nessa fruta para desintoxicar o organismo e se livrar das gordurinhas. É só não exagerar na dose. Consumir de duas a três unidades por dia – aliadas a uma dieta equilibrada – é suficiente para você perceber uma boa diferença na balança.

Segredo da fruta

Pode-se dizer que é o ácido cítrico que dá ao limão os principais poderes emagrecedores. As frutas da mesma família, como a laranja e a mexerica, também carregam esse ácido. Mas o limão é campeão. E essa substância não é fraca. “O ácido cítrico tem ação adstringente, agindo como se fosse um detergente dissolvendo toxinas e gorduras”, afirma Daniela Jobst. O sabor azedo dá a ideia dessa fruta aumentar a acidez no organismo. Mas não é o que acontece: o limão tem ação alcalinizante (outro mérito do ácido cítrico) e, por isso, deixa o pH do sangue e de outros líquidos corporais menos ácidos. Isso favorece o funcionamento do metabolismo e do organismo como um todo, facilitando a perda e a manutenção do peso. Por ter ação antisséptica (de novo, por causa do ácido cítrico), ele ainda combate os microrganismos inimigos que provocam fermentação no estômago e no intestino. Ou seja, é um alimento que pode evitar o acúmulo de gases.

Aliados da dieta

Novas maneiras de incluir a linhaça na sua dieta...

...e emagrecer sem passar fome! Essa sementinha também ameniza os sintomas da TPM, estimula o intestino preguiçoso, deixa o coração saudável e a pele lisinha!


Emagreça com a linhaça

 http://www.masterpetshop.com.br/images/linhaca.jpg
Depois que a ciência comprovou que a linhaça diminui a fome, ajudando a reduzir o consumo de calorias ao longo do dia, ela se tornou obrigatória nas dietas de perda de peso. Você mesma já deve ter testado e comprovado o poder que essa semente, rica em fibras, tem de saciar e melhorar o funcionamento do intestino. Por ser fonte de ácidos graxos ômega 3 e 6 e lignanas (fitoquímicos capazes de modular os hormônios femininos), é um alimento que também combate a inflamação nas células (isso deixa o organismo menos propenso a acumular gordura), preserva as artérias e diminui a ansiedade e a compulsão a doce, típicas da TPM. A pele também dá sinal de viço. É claro que para oferecer esses benefícios, a linhaça deve entrar no seu cardápio todo santo dia! Mas não precisa incluí-la só no café da manhã, polvilhada no iogurte. Para não enjoar da semente, duas nutricionistas e um chef de cozinha sugerem seis maneiras diferentes e gostosas de consumi-la no almoço, no lanche e no jantar. Aproveite! A linhaça pode ser uma eterna aliada para você se manter magra, linda e saudável!

sexta-feira, 28 de maio de 2010

Cansada de fazer dieta? 3 regras simples para emagrecer

Confira três táticas fáceis, mas superpoderosas, para vencer a luta contra a balança

http://4.bp.blogspot.com/_7yu3h6nMAKg/R8VhMcfPP9I/AAAAAAAAAME/FaPN9LUcaGM/s400/Cake.jpg 


Entra ano, sai ano e você continua com a mesma queixa: não consegue enxugar aqueles quilinhos que insistem em mascarar suas curvas. Tentativas não faltaram, pelo contrário: a lista das dietas que entraram na sua vida vai de A a Z, mas mesmo assim a balança não se rendeu. Se essa novela parece familiar, chegou a hora de mudar o roteiro. Agora, o final da história será diferente. Para ajudá-la a reverter o cenário, consultamos os maiores especialistas no assunto no país — o endocrinologista Alfredo Halpern, do Hospital das Clínicas de São Paulo e criador da Dieta dos Pontos, o colega Walmir Coutinho, coordenador da Força-Tarefa Latino Americana de Obesidade, a diretora do grupo Vigilantes do Peso de São Paulo, Cleide Guimarães, a empresária Lucília Diniz, que eliminou 60 quilos da sua silhueta, e a nutricionista Ana Herb, do Centro de Recuperação e Estudos da Obesidade (Creeo). Com eles, escolhemos a dedo três poderosíssimas estratégias para ajudá-la a fazer as pazes com o espelho. A seguir, o resultado. Tudo ao seu alcance!

Passos para enxugar as medidas sem sacrifício 

1. Corte 50% do doce

A maioria de nós não resiste aos encantos açucarados e se rende principalmente ao chocolate quase todos os dias — e em doses exageradas. Ops, hora de mudar. “Quem quer conquistar um corpo cheio de curvas tem de reduzir a cota de guloseimas pelo menos pela metade”, diz o endocrinologista Alfredo Halpern. Se o açúcar representa o paraíso na terra cada vez que passa pela nossa boca, o doce também é cruel e impiedoso com a nossa silhueta. Então, por que permitir 50%? “Estudos comprovam que, quando se restringe demais o cardápio, cortando radicalmente os ingredientes mais amados, o risco de um ataque à geladeira aumenta potencialmente”, diz a nutricionista Ana Herb. Para as formiguinhas de plantão, há duas maneiras de manter o projeto musa. Se a necessidade de degustar um docinho for diária, tudo bem. Mas a dose terá de ser pequenina. Vale comer todo dia, por exemplo, um bombom Alpino ou Sonho de Valsa, uma banana passa com chocolate, dois cookies de chocolate, dois biscoitos recheados, dois brigadeiros pequenos (tamanho de festa), uma minibarrinha (15 gramas) de chocolate, daquelas que vêm em caixa com miniaturas da Lacta ou da Nestlé, ou dois Bis. Outra opção, mais recomendada: o regalo fica liberado só uma vez por semana e, nesse caso, a dose aumenta: uma taça com duas bolas de sorvete diet com cobertura diet, uma fatia de bolo ou de torta de frutas, um quadrado de brownie, uma fatia de pudim de leite, uma taça de musse ou uma barra de 50 gramas (tipo Suflair) de chocolate. Mas atenção: não misture dois doces em um só, como a tradicional dupla torta ou bolo com sorvete. E procure optar por doces que levem fruta, como musse de maracujá, torta de maçã, bolo de laranja, em vez daqueles que são chocolate puro. Assim, você reduz o teor de gordura da sobremesa e minimiza as calorias. E por último: quando for impossível resistir ao doce que mais ama, divida com uma amiga. Assim, as duas saboreiam a delícia sem sair da linha.

2. Diga sim ao carboidrato camarada



Descarte de uma vez por todas aquela velha estratégia de cortar pão, massa e arroz para tentar um emagrecimento a jato. Várias pesquisas já provaram que reduzir drasticamente a cota de carboidrato do menu pode provocar queda no rendimento intelectual, cansaço e até mesmo depressão. “E quem adota regimes radicais está fadado a engordar tudo de novo”, diz o endocrinologista Walmir Coutinho. Mas como mantê-los no cardápio e perder peso? Você precisa saber escolher o carboidrato do bem. O refinado (presente no pão branco, nos biscoitos e no arroz branco) e o simples (como açúcar e mel) são campeões em aumentar sua fome. Ao serem ingeridos, o organismo libera rapidamente altas doses de insulina para manter o índice de glicose no sangue sob controle. E esse processo manda o apetite para as alturas. Além disso, alimentos como esses — que liberam altos índices de açúcar no sangue — são um dos principais responsáveis pelo diabetes tipo 2, que pode ser evitado adotando hábitos alimentares saudáveis. “Para despistar a fome, nutrir seu organismo e se deliciar com as refeições, adote os integrais”, diz Cleide Guimarães, do Vigilantes. Troque o arroz branco pelo integral, adote pão integral, de centeio, aveia ou de fibras e deixe de lado o pão francês ou o pão de fôrma tradicional. Opte por cereal matinal integral tipo Nesfit ou All Bran ou até mesmo aveia no lugar do tradicional Sucrilhos — altamente refinado e rico em açúcar. Se a pedida for macarrão, você encontra a versão integral em vários supermercados e lojas de produtos naturais. Quando quiser se deliciar com uma torta ou uma pizza e não tiver a chance de escolher as integrais, escolha um recheio de verdura ou legume, como brócolis, escarola e rúcula. Combinados com os carboidratos, eles ajudam a domar a sua fome.

3. Eleja seu Mc Dia Feliz 

Hambúrguer, batata frita, sundae, milkshake... Qual de nós não vai à loucura por causa dessas guloseimas tentadoras? Mas o fim da história todas sabemos: arrependimento e ponteiro da balança em alta. As maravilhas do mundo da lanchonete se revelam entre os piores inimigos da dieta por ser carregadas de muita gordura — e conseqüentemente lotadas de calorias. Por isso, ou você passa a limitar a junk food no seu menu ou então vai estar fadada a viver reclamando das curvas. Mas o melhor vem agora: dá para fazer um acordo de paz com a balança sem ter que abandonar essas veneradas guloseimas. Ainda bem, porque a gente já está cansada de saber que isso é quase impossível. Tem dias que nada no mundo pode aplacar a gula a não ser um sanduíche caprichado ou um sundae daqueles. Por isso, pode incluí-los no cardápio, mas com sabedoria. “Um dos segredos é selecionar as combinações”, diz a empresária Lucília Diniz. Quando estiver na lanchonete, por exemplo, evite um menu explosivo. Se quiser um sanduíche mais reforçado, tipo Big Mac, dispense a batata frita e sobremesa. Quando quiser mais acompanhamentos, fique então com um lanchinho mais leve — por exemplo, um hambúrguer simples, uma batata pequena e um sorvete de casquinha. Se a vontade for detonar um sundae ou milkshake, permita só um sanduíche ou batata frita — e em doses pequenas. Nesse caso, o ideal é dividir o regalo salgado com uma amiga para saborear o doce sem peso na consciência. Quem adotar esse tipo de estratégia pode incluir um fast food no cardápio a cada 20 dias. Mas, se um dia sua vontade de devorar um lanche completo chegar às alturas, ok, vá em frente. Com duas condições. Primeira: maneirar no garfo nas outras refeições do dia, elegendo apenas pratos ultraleves. Segundo: esse tipo de farra gastronômica na lanchonete não pode virar rotina — sua cota é, no máximo, uma vez por mês.




A amêndoa ajuda a emagrecer

Nova aliada da dieta, a amêndoa acelera o processo de emagrecimento

http://www.observatoriodoalgarve.com/cna/Images%5Camendoas.jpg

Por que a amêndoa ajuda a emagrecer?

Se as amêndoas, castanhas e nozes passam longe do seu cardápio por causa das calorias, você não sabe o que está perdendo. Essas delícias fazem parte do seleto grupo das frutas oleaginosas, que, além de carregarem muitos nutrientes, podem ser excelentes parceiras na hora de emagrecer. Estudos indicam que, quando aliadas a uma dieta, essas castanhas auxiliam na perda de peso, pois são ricas em gorduras monoinsaturadas, responsáveis por manter o nível de açúcar no sangue estável e ativar o metabolismo da queima de gorduras.

O mais recente deles, publicado na revista norte-americana International Journal of Obesity, comparou os efeitos de uma dieta para emagrecer enriquecida com amêndoa a uma mais tradicional, suplementada com carboidratos complexos. O grupo que comeu amêndoa não só obteve mais sucesso na redução do peso e do total de gordura corporal como também teve mais facilidade em manter a perda de peso durante o tempo estudado.

Nova arma da dieta

Lançar mão das gorduras do bem para emagrecer é um recurso cada vez mais defendido por especialistas no mundo todo. O treinador físico Jorge Cruise, autor do best seller norte-americano Boa Forma em 8 Minutos pela Manhã (editora Frente), defende que, por equilibrar o nível de insulina liberada pelo pâncreas, essas gorduras ajudam a converter os estoques de gordura corporal em energia. Além disso, os especialistas são unânimes ao classificá-las como ótimas moderadoras de apetite. “Ao comer cinco ou seis nozes antes da refeição, você se sente saciado mais rápido e por mais tempo”, escreve o médico norte-americano Michael Roizen, autor dos best sellers Idade Verdadeira e A Dieta da Idade Verdadeira.

 

quinta-feira, 27 de maio de 2010

Lanches pré e pós malhação.

Bem alimentado, seu corpo responde melhor aos exercícios. O resultado você vê no espelho: as gordurinhas somem rapidinho e os músculos aparecem

http://boaforma.abril.com.br/imagens/mt/201-det-garota-academia.jpg 

O segredo está no lanche

 Corrida e musculação, de segunda a sexta, durante um ano e meio. Mas os três últimos quilinhos extras continuavam ali, intocáveis. E olha que Isabel Villela, 31 anos, maneirava no garfo. “Queria perder as gordurinhas acumuladas no abdômen e deixar os músculos em evidência”, conta a administradora de website. Essa história só teve um final feliz quando ela foi orientada por uma nutricionista a mudar o hábito de ir para a academia com mais de quatro horas de jejum. “Passei a comer um lanche leve — suco, torrada ou biscoito salgado —, uma hora antes do treino. Foi o suficiente para me sentir mais disposta. Isso melhorou minha performance e acelerou meu metabolismo. Em dois meses, finalmente, vi minha barriga secar”, comemora. 

O exemplo de Isabel mostra que um lanchinho pré-treino pode ser o detalhe que falta para você perder mais rápido as dobrinhas que estão sobrando e ganhar músculos. “Sem glicogênio (a energia vinda dos carboidratos), o corpo tem mais dificuldade de queimar gordura. Pior, rouba proteína da massa magra para usar como combustível. E aí lá se vai o músculo e a gordura fica”, diz Cibele Crispim, da RGNutri Consultoria Nutricional, em São Paulo (SP). Além disso, existe o risco de hipoglicemia (baixa de açúcar no sangue), que provoca tontura e até desmaio. Mas não é qualquer alimento que resolve. Dependendo do intervalo que você tem entre comer e treinar, deve priorizar alguns nutrientes e dispensar outros, buscando melhorar o rendimento. “Até uma hora e meia antes do treino, coma proteína (ovo, atum, peito de peru), importante para a recuperação e a manutenção dos músculos, e carboidrato (pães e biscoitos integrais e frutas), que faz com que o organismo consuma açúcares e gordura durante o exercício”, explica Alessandra Caviglia, nutricionista da Companhia Athletica, em São Paulo.

Só dá para você comer uma hora antes do exercício? Então fique apenas com o carboidrato e dispense a proteína. Caso esse intervalo seja ainda menor (de 40 a 30 minutos) prefira biscoitos e pães refinados — eles ficam menos tempo no estômago e garantem a energia necessária para malhar. “A proteína tem uma digestão mais demorada e, ingerida perto da aula, pode causar mal-estar, atrapalhando o desempenho”, diz Cibele. É por isso que aquele inocente iogurte consumido no caminho da academia parece brincar de vaivém durante a aula.

Porém, terminado o treino, a proteína volta a ser bem-vinda. “O ideal é consumi-la na primeira hora após a aula, quando as fibras musculares, que sofreram microlesões durante o exercício, começam a se regenerar”, diz Cibele. Uma nova dose de carboidrato também é fundamental. “Ele vai ajudar o corpo a se recuperar do desgaste, poupando novamente o músculo”, completa a nutricionista, que, a seguir, recomenda vários lanchinhos para você comer antes e depois de malhar e — como Isabel (a administradora de website) — melhorar a performance e o resultado no seu corpo.

Barriga cheia pesa

Se você costuma se exercitar após o almoço ou o jantar, faça uma refeição leve e espere no mínimo duas horas. “É importante que o tempo entre comer e treinar seja suficiente para o alimento ser digerido e absorvido, evitando desconforto e garantindo reservas de glicogênio para os músculos”, explica Antonio Herbert Lancha Júnior, professor de nutrição da Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo. Ou seja, se você fizer uma refeição equilibrada em carboidrato, proteína e gordura de boa qualidade, vai ter combustível suficiente para malhar. O lanchinho pré-treino só será necessário se você estiver mais de 4 horas sem comer. Já a água é importante a qualquer momento — antes, durante e depois do exercício — para hidratar o corpo e manter a temperatura equilibrada.

2 horas de malhação

Sempre que você emendar os exercícios aeróbicos aos de musculação, ultrapassando duas horas de treino, faça um pequeno lanche entre uma atividade e outra. “Depois de uma hora malhando, os estoques de glicogênio baixam drasticamente, comprometendo o rendimento físico e as reservas do músculo. Por isso a necessidade de repor energia no meio do treino”, diz Cibele. Claro que se você pretende perder peso não deve exagerar: 1 banana, 1 biscoito light ou 1 bebida isotônica é o suficiente.

Se quiser, troque...

* 1 iogurte desnatado por 1 pote de coalhada.

* 1 fatia de queijo branco magro por 1 fatia de ricota, 3 col. (sopa) de queijo cottage, 2 col. (sopa) de cream cheese light ou 2 Polenguinhos Light.

* 1 fatia de pão de fôrma light por 1 fatia de pão integral light, 1/2 pão francês, 1 pão sírio pequeno, 2 bisnaguinhas.

* 1 fatia de peito de peru por 1 fatia de blanquet de peru, 4 col. (sopa) de atum conservado em água, 3 fatias de rosbife ou 3 unidades de kani kama.

* 1 fatia de bolo simples por 3 biscoitos de maisena ou 2 biscoitos de leite.

* 3 col. (sopa) de aveia por 2 col. (sopa) de granola ou 2 col. (sopa) de müsli.

De bem com a gordura

Nem toda gordura é do mal, mas é preciso saber quais valem a pena consumir

http://boaforma.abril.com.br/imagens/mt/197-det-vidros-azeite.jpg 

Qual a gordura boa, afinal?

Gorduras insaturadas

São as do bem, pois não prejudicam as artérias e, ainda, ajudam a tirar de circulação o colesterol ruim. Se dividem em monoinsaturadas e poli-insaturadas e devem representar mais de 20% das gorduras consumidas.

Onde estão: as monoinsaturadas encontram-se no óleo de canola, no azeite de oliva e nas frutas oleaginosas, como caju, amendoim, amêndoa, castanha e avelã.
Os óleos de soja, milho e girassol (ricos em ômega 6) e os peixes de água fria, como salmão, sardinha, truta e bacalhau (fontes de ômega 3) têm maior quantidade de gorduras poli-insaturadas.

Gorduras saturadas

São consideradas do mal porque aumentam o nível de colesterol ruim no sangue e, por tabela, os riscos de problemas cardíacos. “O consumo desse tipo de gordura não deve ultrapassar 7% do total diário”, orienta a nutricionista Liliana. Onde estão: nos alimentos de origem animal, como carnes, leite e seus derivados, e em alguns poucos de origem vegetal, a exemplo do coco, do azeite-de-dendê e da manteiga de cacau.

 

Benefícios da gordura boa

As gorduras, que passaram décadas sendo crucificadas, acusadas de serem as maiores inimigas do coração e da barriguinha enxuta, nos últimos anos perderam a fama de vilãs. Afinal, ninguém vive sem essas danadas, já que exercem várias funções no organismo. “Elas suprem os músculos de energia, mantêm a elasticidade da pele, regulam a temperatura do corpo e, como são digeridas mais lentamente que os carboidratos e as proteínas, garantem maior sensação de saciedade”, diz Alessandra Macedo, nutricionista do Instituto do Coração, em São Paulo. As gorduras também intensificam o aroma, a textura e o sabor dos alimentos. Isso explica por que a bendita batatinha frita é mais gostosa que a assada.

Chega pra lá, gordura do mal


Estratégias simples reduzem o espaço dessas vilãs na sua dieta

• Sabe aquela gordurinha branca e firme que forma sobre a carne de panela guardada na geladeira? É gordura saturada. Retire-a antes de aquecer o alimento e emagreça seu prato.

• Manteiga ou margarina? Essa escolha é cruel: a manteiga é rica em saturadas e a margarina em trans. Fique com os cremes vegetais ou margarinas light. De novo: quanto mais dura a margarina, mais trans ela contém.

• Os óleos vegetais perdem suas propriedades boas quando submetidos a temperaturas altas. Deixe para acrescentá-los no fim do cozimento. Refogue o alimento apenas com água e tempero e, quando estiver quase pronto, regue-o com um fio de azeite. Fica saboroso e saudável ao mesmo tempo.

• Não reaproveite os óleos. As frituras saturam os óleos vegetais e provocam a formação de substâncias tóxicas, irritantes ao estômago e prejudiciais à saúde. Quanto mais reaproveitado, pior. O ideal é usá-lo uma vez e jogar fora.

• Retire a pele do frango e toda a gordura aparente das carnes antes de cozinhá-las. Isso faz uma bela diferença em calorias e qualidade.

• Para amaciar a carne sem gordura, deixe-a descansar em uma mistura de ervas e vinagre, limão ou vinho.

• Cozinhe em panelas antiaderentes. Elas evitam que os alimentos grudem no fundo. Para a carne ficar dourada, pingue um pouquinho de água ou molho de tomate. Se o óleo for indispensável, acrescente a menor quantidade possível.

• A vontade de comer fritura é incontrolável? Faça-a em casa. Pelo menos você vai ter certeza de que não foi usado gordura vegetal hidrogenada nem o óleo foi reaproveitado. Seque o excesso de gordura com papel-toalha.

• Fique de olho nos rótulos dos produtos industrializados e compare a quantidade total de gordura e as frações de saturadas e insaturadas. Dê preferência àqueles em que a maior parte das gorduras for do segundo tipo, amigas do peito.

• Azeite de oliva faz bem, sim: ajuda o coração e ainda é rico em antioxidantes. Isso não quer dizer que ele não engorde. A medida recomendada é uma colher de chá para um prato grande de salada.

O prestígio em alta ainda se deve ao fato de não existirem apenas gorduras do mal, as saturadas, que bloqueiam as artérias. As insaturadas, consideradas amigas, elevam os níveis de colesterol bom, o HDL, que varre do sangue o colesterol ruim, o LDL. Por isso é importante conhecê-las de perto e aprender a dosá-las. Um grama de qualquer gordura, seja saturada ou insaturada, tem 9 calorias — a mesma medida de carboidratos ou proteínas tem apenas 4 — e, em excesso, são estocadas no tecido adiposo, que, em nós, mulheres, teima em se concentrar na barriga, nos quadris, nos culotes e no bumbum.

Quer dizer que as gorduras não devem ultrapassar 30% do valor calórico diário. Em uma dieta de 1 500 calorias, por exemplo, pode-se comer até 450 calorias sob a forma de gorduras, sendo no máximo 105 de saturadas. Essa quantidade é consumida facilmente! Lembre-se de que nem sempre elas aparecem de forma explícita. Estão embutidas em vários tipos de alimentos: no inocente queijo do café da manhã, no refogado do almoço, no chocolate da tarde...

“O brasileiro até consegue manter o consumo das gorduras na quantidade recomendada, mas privilegia as saturadas em vez das insaturadas”, alerta a nutricionista Liliana Bricarello, do Setor de Lípides da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Então, descubra agora onde se encontram as gorduras do bem e do mal.

quarta-feira, 26 de maio de 2010

20 trocas contra o colesterol

Saiba como substituir alguns alimentos que elevam os níveis dessa gordura

http://boaforma.abril.com.br/imagens/mt/312-sd-pizzas.jpg 

Abaixo o colesterol

No placar científico, um time de nutrientes já pontuou a favor das nossas artérias na disputa contra o colesterol. Um estudo recém-concluído em institutos espanhóis como o Hospital Clinic de Barcelona demonstra, após analisar 772 pessoas suscetíveis a infartos, que uma dieta rica em fibras dribla o excesso de LDL, a versão nada benéfica da gordura, afastando perigos. Já nos Estados Unidos, pesquisadores da Universidade Loma Linda provaram que peixes, nozes e castanhas garantem proteção digna de um golaço. Afinal, ajudam a controlar as taxas da substância no sangue. Por que, então, não convocar esses alimentos ao cardápio? A tática vitoriosa é trocar itens que contribuem muito pouco — ou até atrapalham — por outros que se mobilizam para vencer o colesterol. E o melhor: sem deixar o prazer à mesa no banco de reservas. Saiba como e por que vale a pena adotar esse esquema em prol da saúde cardiovascular.

1. Pão francês por integral
Eis uma forma de começar o dia protegendo as artérias. A massa integral presenteia o organismo com boas doses de fibras. Esse ingrediente serve de alimento a bactérias aliadas que moram no intestino. Bem nutridas, algumas delas fabricam mais propionato, uma substância que tem tudo a ver com os níveis de gordura na circulação. “Ao chegar ao fígado, ela diminui a produção de colesterol”, explica a gastroenterologista Jacqueline Alvarez-Leite, da Universidade Federal de Minas Gerais. Com isso, cai também a quantidade dessa partícula no sangue.
2. Leite integral por desnatado
Esse esquema garante a entrada do cálcio, tão caro aos ossos, sem um bando de penetras gordurosos. A bebida desnatada tem o mesmo teor do mineral, com a vantagem de ostentar menos ácidos graxos saturados. O excesso desse tipo de gordura eleva os níveis de LDL, a fração ruim do colesterol. “Isso porque reduz o número de receptores que captam LDL nas células”, ensina a nutricionista Ana Maria Pita Lottenberg, do Hospital das Clínicas de São Paulo. Se esse mecanismo não funciona direito, o colesterol vaga no sangue, pronto para se depositar na parede das artérias.

3. Óleo de soja e outros por azeite
O ganho dessa troca vem da combinação entre gorduras benéficas e antioxidantes que povoam o óleo de oliva. Uma de suas vantagens é fornecer doses generosas de ácidos graxos monoinsaturados. “Eles não aumentam os níveis de LDL e ainda ajudam a erguer um pouco as taxas de HDL, o colesterol bom”, afirma o cardiologista Raul Dias dos Santos, do Instituto do Coração de São Paulo. “Além disso, os compostos fenólicos do azeite evitam a oxidação do colesterol, fenômeno que propicia a formação das placas”, completa Jorge Mancini, diretor da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade de São Paulo.

4. Pizza de mussarela pelas de vegetais A ideia pode não agradar aos fãs mais puristas das pizzarias, mas presta um enorme serviço aos vasos sanguíneos. Deixar camadas e mais camadas de queijo de lado de vez em quando significa podar gordura saturada do cardápio. Como você viu, ela protagoniza o disparo do LDL, o tipo perigoso do colesterol. Substituir a mussarela ou a quatro queijos pelas redondas cobertas de vegetais é uma saída para degustar pizzas sem receio. Opções não faltam — vale pizza de escarola, de rúcula, de brócolis e até de abobrinha. E elas oferecem um bônus: pitadas de fibras e antioxidantes.

5. Salgadinhos por castanhas
Essa troca é destinada àquele momento em que pinta a fome no meio do dia. Solução fácil, mas nada saudável, seria recorrer aos salgadinhos ou biscoitos recheados, petiscos que costumam contar com gordura trans em sua receita. “Ela não só faz aumentar o LDL como ainda contribui para derrubar o HDL”, alerta Ana Maria Lottenberg. Para escapar da malfeitora, aposte nas castanhas e nas nozes — legítimos depósitos da gordura monoinsaturada, que faz exatamente o trabalho oposto. “As oleaginosas ainda são fontes de antioxidantes”, lembra Jorge Mancini.

6. Cereais açucarados por aveia
A aveia tem fama de ser um dos cereais mais nutritivos do planeta. Por isso merece um espaço logo no café da manhã — seja na forma de flocos, seja no mingau. Um estudo da Universidade Federal de Santa Catarina comprova, mais uma vez, sua capacidade de cortar a gordura que sobra no sangue. “A aveia é rica em betaglucanas, fibras fermentadas no intestino e capazes de regular a síntese de colesterol”, explica a autora, Alicia de Francisco, que também é coordenadora para a América Latina da Associação Americana de Químicos de Cereais. “Observamos que elas ainda aumentam o HDL.”

7. Bauru por peito de peru e queijo branco
Calma, não pretendemos condenar ao ostracismo um lanche tão tradicional como o bauru. O problema é que ele deixa a desejar se as taxas de colesterol já rumam aos céus. Basta averiguar seus ingredientes: queijo prato e presunto, redutos de gordura saturada e colesterol. Que tal substituí-lo por um sanduba de peito de peru e queijo branco, que é mais esbelto do que seu congênere? Experimente. Só é preciso ficar atento ao tamanho do lanche. Ora, uma gigantesca baguete recheada pode fornecer mais calorias e gorduras do que um bauru de porte modesto.

8. Camarão por peixe

Convenhamos: frutos do mar não são tão frequentes no prato do brasileiro. Mas vale ficar atento durante aquela viagem à praia para não se abarrotar de camarões. Eles encabeçam o ranking marinho de colesterol — são 152 miligramas da gordura em uma porção de 100 gramas. Ou seja, quase o triplo do que é oferecido pela mesma quantidade de um peixe gordo como o salmão. Esse pescado se sai melhor também por outro motivo: ele é carregado de ômega-3. E uma nova pesquisa da Universidade Columbia, nos Estados Unidos, revela: o ômega diminui a captação de LDL pela parede das artérias, prevenindo as placas.

9. Picanha por lombo O porco não é mais gordo que o boi nem o boi é mais gordo que o porco. Tudo é uma questão de corte. Há peças bovinas com menos gordura saturada, caso da alcatra e do filé mignon, e há aquelas parrudas, como a picanha e o cupim. O mesmo raciocínio se aplica à carne suína: o lombo é mais magro que o pernil. Mas saiba que há medidas para retalhar o possível malefício de qualquer corte rechonchudo. “Limpe a peça antes de cozinhá-la, retirando toda gordura aparente”, ensina Ana Maria. Até porque, apesar de a gente não ver, altas doses do nutriente já estão emaranhadas na carne.

10. Manteiga por margarina
Elas mantêm uma rivalidade histórica e ainda suscitam debates entre os experts. No duelo em prol de artérias saudáveis, porém, a margarina leva certa vantagem, porque não conta com a famigerada gordura de origem animal e o colesterol. Nos últimos anos, a indústria tem acrescentado componentes à sua fórmula para torná-la mais benéfica. Entre eles, destaque para os fitosteróis, que facilitam a expulsão do colesterol pelas fezes. “Os produtos enriquecidos com essa substância são indicados a quem já tem colesterol alto”, avisa Ana Maria.

11. Quindim por compota de frutas Os doces costumam ser condenados por carregarem açúcar demais. Quando a discussão envolve colesterol, porém, o açúcar pesa menos do que outro ingrediente comum em quindins, brigadeiros e bolos: a gordura. A manteiga, o creme de leite e outros ingredientes gordurosos que dão consistência aos quitutes levam consigo ácidos graxos saturados, que alavancam as taxas de LDL. Não à toa, os especialistas aconselham trocar esse tipo de sobremesa por opções que, sem perder o sabor adocicado, são desengorduradas. O melhor exemplo são as compotas de frutas. Só não vale, é claro, abusar

12. Suco de laranja pelo de uva

Essa é para matar a sede e resguardar o peito. É na casca da uva que está um parceiro do coração, o resveratrol. “Ele atua na redução do colesterol e tem efeito antioxidante”, diz a bioquímica Tânia Toledo de Oliveira, da Universidade Federal de Viçosa, em Minas Gerais. Ao impedir que as partículas de LDL se oxidem, a substância evita indiretamente que elas grudem na parede do vaso. Ao contrário do que muita gente pensa, o resveratrol não é exclusivo do vinho. O suco de uva natural e feito na hora (com casca, por favor!) também o disponibiliza ao organismo.

13. Chá de ervas por chá-mate
Não é campanha contra a receita da avó, mas as infusões à base de camomila e afins perdem feio para o mate se o assunto é colesterol. Que o digam cientistas da Universidade Federal de Santa Catarina, que avaliaram as propriedades dessa erva típica do sul do país. “Notamos uma queda de 8,5% nos níveis de LDL em voluntários com taxas normais e uma redução extra de 13,5% em pessoas que tomavam remédios para abaixar o colesterol”, conta o farmacêutico Edson Luiz da Silva, que liderou a pesquisa. A proeza vem das saponinas, moléculas presentes no mate. “Elas diminuem a absorção do colesterol no intestino, favorecendo sua excreção pelas fezes”, explica.

14. Cebola branca por cebola roxa Essa troca pode ser estendida à alface e ao repolho: prefira sempre o roxo. As hortaliças com essa cor abrigam um pigmento que aplaca o colesterol, a antocianina. “Experimentos feitos em animais no nosso laboratório mostraram que ela reduz consideravelmente a concentração da gordura no sangue”, conta a professora Tânia Toledo de Oliveira, da Universidade Federal de Viçosa. “A substância inibe uma enzima que participa da síntese de colesterol no fígado, além de aumentar sua eliminação do organismo.” Morangos e cerejas, saiba, também são reservas de antocianinas.

15. Molho branco pelo de tomate
O macarrão é o mais inocente por aqui. Quem incentiva ou não a escalada do colesterol é o molho — sempre. O branco é bem gordo. Em 2 colheres de sopa encontramos 4,5 gramas de gordura. Como o preparo exige creme de leite e queijo, o prato fica cheio de ácidos graxos saturados. Uma bela macarronada ao sugo não guarda esse perigo. Nas mesmas 2 colheres de sopa, há somente 0,1 grama de gordura. “Apenas procure usar o molho de tomate feito em casa e evitar a manteiga no momento de refogá-lo”, orienta a nutricionista Ana Maria Lottenberg. E, se possível, opte pela massa integral.

16. Chocolate ao leito pelo amargo

O doce de cacau se notabilizou como um amigo do sistema circulatório. Mas não é todo chocolate que, de fato, prova sua amizade às nossas artérias. O tipo que merece respeito é o amargo. “Ele possui menos gorduras saturadas que o branco e a versão ao leite”, afirma a nutricionista Vanderlí Marchiori, colaboradora da Associação Paulista de Nutrição. “Sem falar que fornece catequinas, substâncias que ajudam a sequestrar o LDL e impedir sua oxidação”, diz. Mas fique atento ao rótulo: amargo de verdade tem mais de 60% de cacau em sua composição.

17. Sal por ervas e alho
Está em suas mãos uma maneira de preservar os vasos sem deixar a comida ficar insossa: em vez de exagerar no sal, ingrediente que patrocina a hipertensão, use a imaginação e as ervas aromáticas, além de alho. “Ele tem compostos capazes de controlar o colesterol”, exemplifica Vanderlí. E ervas como o orégano e o alecrim merecem ser convidadas à cozinha por causa do seu poder de fogo contra a oxidação, um fenômeno que, você já sabe, não poupa o LDL, tornando-o ainda mais danoso para as artérias. Mas essa ação pode minguar quando os ingredientes são expostos a temperaturas elevadas. Procure acrescentá-los nos minutos finais do cozimento.

18. Frango com pele pelo frango sem pele

Muita gente pensa que basta despir uma coxa de frango assada no prato para se livrar de um boom de colesterol. Ledo engano. “Retirar a pele é, sim, fundamental, mas isso deve ser feito antes de levar a carne ao fogo”, esclarece a nutricionista Cláudia Marcílio, do Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia, em São Paulo. “Quando submetidos ao calor, a gordura saturada e o colesterol da pele conseguem se dissolver e penetrar na carne”, justifica Ana Maria. Aí, será tarde…

19. Queijo pelo tofu
A intenção não é jogar mais pedras sobre o parmesão, o provolone e até o minas, mas abrir espaço ao tofu, que é feito de soja. Ele é uma preciosidade porque concentra o que o grão tem de melhor: proteínas e isoflavonas. “A proteína da soja aumenta a atividade de receptores que colocam o LDL para dentro das células e inibe a principal enzima responsável pela produção de colesterol”, explica a nutricionista Nágila Damasceno, da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo. E as isoflavonas não só potencializam a queda do LDL como evitam sua oxidação.

20. Pipoca de micro-ondas pela de panela
Faz toda a diferença investir um tempo a mais para estourar o milho no fogão. “É uma forma de controlar a quantidade de gordura no preparo, porque no produto de micro-ondas ela já é fixa”, argumenta a doutora em ciência dos alimentos Maria Cristina Dias Paes, da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, em Sete Lagoas, no interior de Minas Gerais. A versão que ganha na praticidade perde pontos porque carrega ácidos graxos saturados e trans. “Na panela, dá para usar um óleo mais saudável, como o de canola”, diz Cristina. Daí, você aproveita as fibras do milho, deixando seu colesterol em paz..


 



dúvidas sobre dieta

Você acha que vinagre queima gordura? Acredita que abacaxi emagrece? Conversamos com especialistas para esclarecer essas e outras questões que circulam por aí e que podem atrapalhar o bom andamento da sua dieta

Água morna com limão emagrece?
(X) Sim  ( ) Não

Segundo a nutricionista Daniela Jobst, de São Paulo, a mistura faz com que as enzimas do fígado, responsáveis pela desintoxicação do organismo, funcionem melhor. Com isso, mais toxinas são eliminadas e o metabolismo é acelerado. “Mas, para funcionar, é preciso beber diariamente um copo (200 ml) de água morna com suco de meio limão em jejum e aguardar meia hora para tomar o café da manhã”, ensina.

Linhaça triturada faz mais efeito do que o grão inteiro?
(X) Sim ( ) Não

A semente passa intacta pelo estômago e intestino sem que o organismo absorva o ômega-3, um tipo de gordura com ação anti-infl amatória que reduz o colesterol ruim e auxilia a circulação sanguínea. Ao triturá-la, você tem acesso, inclusive, às fibras que estão presentes na casca e melhoram o funcionamento intestinal, além de dar sensação de saciedade. “Para ter esses benefícios, basta consumir uma colher de sopa da farinha por dia”, conta a nutricionista Lara Natacci, de São Paulo.

Sal engorda?
( ) Sim (X) Não

Mas pode inchar. O risco é causar retenção hídrica quando consumido em excesso – mais de 1 colher de chá por dia. O vilão é o sódio, um mineral que puxa água para dentro do organismo. Vale lembrar que ele não está apenas no saleiro mas também nos produtos industrializados, especialmente molhos e temperos. “Para ajudar a eliminar o sódio do organismo, beba 2 litros de água por dia e coma alimentos ricos em potássio (caso da banana, da laranja e do tomate), cálcio (derivados do leite, peixes e vegetais verdeescuros) e magnésio (encontrados nos cereais integrais)”, ensina Lara Natacci.

Todo alimento enriquecido com fibras é integral?
( ) Sim (X) Não

O termo “enriquecido com fibras” sinaliza que foi adicionado ao alimento pelo menos 25% a mais de fibras em comparação à versão convencional. Mas isso não faz dele um produto integral – nesse caso, é preciso que, no processo de industrialização, pelo menos um dos ingredientes seja encontrado da mesma forma como está na natureza: a farinha, para ser integral, deve ser feita com trigo integral, não acrescida de fi bras.

Atum e sardinha em lata têm os mesmos nutrientes do que o peixe fresco?
(X) Sim ( ) Não

A composição dos peixes enlatados é muito similar à do peixe fresco quando preparado de maneira caseira. “Isso ocorre graças ao processo de produção. O peixe, já dentro da lata, passa por um tratamento térmico sob temperatura e pressão elevadíssimas – garantindo, assim, a mínima perda das propriedades nutricionais”, explica a nutricionista Fernanda Bigliazzi, de São Paulo.

Chá de gengibre acelera o metabolismo?
(X) Sim ( ) Não

Uma pesquisa da Universidade de Tóquio, publicada no jornal da Sociedade Farmacêutica do Japão, confi rmou esse dado. A explicação está nos fitoquímicos, como o gingerol, que têm ação termogênica. Na prática, essas substâncias elevam a temperatura corporal e o metabolismo em até 20%, o que favorece a queima de gordura. Em tempo: para preparar o chá, ferva 1 pedacinho de gengibre (cerca de 1 ou 2 cm) em 500 ml de água e beba uma xícara logo após as refeições ou no intervalo entre elas.

Vinagre queima gordura?
(X) Sim ( ) Não
Assim como a mistura de água morna e limão, o vinagre também estimula o fígado a eliminar toxinas e aumenta o gasto calórico. Além disso, favorece a circulação sanguínea. Resultado: há uma redução nos pneuzinhos e até na celulite. A nutricionista Daniela Jobst dá a receita: misture ¼ de copo (50 ml) de vinagre de maçã orgânico ou de arroz na mesma medida de água morna e beba diariamente antes do café da manhã, do almoço e do jantar.

Tomar água durante a refeição engorda?
(X) Sim ( ) Não

Isso acontece por duas razões: ela dilui o ácido clorídrico produzido no estômago, atrapalhando a digestão, e prejudica a quebra das moléculas dos alimentos, fazendo com que cheguem maiores ao intestino. Isso desequilibra a flora intestinal e a absorção dos nutrientes. “O líquido interfere até na sensação de saciedade, levando a pessoa a comer mais. Para não ter prejuízo, o ideal é consumir, no máximo, 1 copo (200 ml) antes da refeição e outro duas horas depois”, diz a nutricionista Daniela Jobst.

Gelatina de caixinha deixa a pele mais firme?
( ) Sim (X) Não

A gelatina que a gente come de sobremesa tem só 10% de proteína e, por isso, não deve ser considerada como alternativa para firmar a pele ou deixar o corpo mais durinho. Mas é uma boa opção para enganar a fome ou matar a vontade de doce sem acrescentar muitas calorias.

Abacaxi ajuda a afinar?
( ) Sim (X) Não

“A fruta não tem esse poder. Mas consumir uma fatia média depois da refeição auxilia a digestão, principalmente de proteínas, evitando aquela sensação de peso. Isso porque o abacaxi tem bromelina, uma enzima com ação digestiva”, esclarece a nutricionista Lara Natacci, de São Paulo.

Biscoito salgado engorda menos que o doce?
( ) Sim (X) Não

“O biscoito doce sem recheio possui menos gordura e calorias do que o salgado”, afirma a nutricionista Gelsen Feliciano, de São Paulo. Para você ter uma ideia, seis unidades de cream craker ou água fornecem cerca de 170 calorias enquanto a mesma porção do biscoito de maisena ou de leite tem 135.

Chá verde pronto tem o mesmo efeito do caseiro?
( ) Sim (X) Não

Durante a industrialização, a erva Camellia sinensis tem seu poder de ação reduzido. “Por isso, se a intenção é acelerar o metabolismo, emagrecer e combater os radicais livres, a recomendação é preparar a bebida com folhas secas e tomar quatro xícaras por dia”, diz Gelsen Feliciano. Para isso, aqueça 600 ml de água (não deixe ferver), desligue o fogo e acrescente quatro colheres de chá da erva. Tampe por cinco minutos, coe e beba em seguida.

Alimento orgânico é mais saudável do que hidropônico?
(X) Sim ( ) Não

De forma geral, os dois são mais saudáveis do que o cultivado da forma tradicional. Mas, se tivesse que escolher, a nutricionista Fernanda Soares, do Rio de Janeiro, votaria no orgânico. “O hidropônico é cultivado na água e precisa de aditivos químicos que podem se acumular no alimento e causar intoxicação. Tudo porque não recebe os nutrientes vindos da terra, como os orgânicos”, justifica.

Tudo bem substituir água pura por água com sabor?
( ) Sim (X) Não

Pelo menos 50% dos líquidos ingeridos por dia devem vir sob a forma de água pura. O restante pode vir de outras bebidas, de preferência sem calorias, e até de alimentos, em especial frutas e legumes. “Como a água com sabor contém aditivos e adoçantes, o melhor é se contentar com dois copos por dia”, diz Gelsen Feliciano.

Isotônico durante a malhação faz ganhar peso?
( ) Sim (X) Não

Pesquisa feita na Universidade Estadual do Colorado, nos Estados Unidos, concluiu que quem toma esse tipo de bebida durante a ginástica deixa de consumir cerca de 100 calorias por dia. Isso porque o isotônico ajuda a saciar, fazendo você terminar o treino com menos fome e continuar assim ao longo do dia.

Chocolate amargo é melhor opção do que ao leite?
(X) Sim ( ) Não

Em comparação ao chocolate ao leite, o amargo traz mais do que o dobro de substâncias bioativas. É o caso de aminas, teobromina, magnésio e carboidratos, que estimulam a saciedade e a produção de serotonina, melhorando o humor e o bem-estar. “Para não prejudicar a balança, consuma o doce no fim da tarde, quando as taxas de serotonina do organismo caem e o metabolismo ainda está ativo”, indica Lara Natacci.


 


alimentos que fazem você mais feliz

O que você come tem grande influência no que você sente. Aposte nos alimentos que harmonizam suas emoções. De coração leve, fica mais fácil controlar até a boca nervosa

http://boaforma.abril.com.br/imagens/mt/cubos-tofu.jpg http://boaforma.abril.com.br/imagens/mt/abacate-cortado.jpg

Banana baixa a bola da ansiedade. Abacate garante uma boa noite de sono e mel deixa você mais alegre. Já as nozes aumentam a concentração e o tofu (quem diria!) põe fim ao desânimo. Depois de provar que alguns alimentos protegem o nosso organismo, mantendo as doenças à distância, especialistas prometem mostrar que certas comidas também influem intensamente nas nossas emoções.

Você lembrou do pudim de leite que só sua mãe sabe fazer? Ok, comida de mãe conforta e deixa a gente feliz. Isso a ciência não precisa demonstrar. Mas os pesquisadores vão além. “Estamos estudando componentes das hortaliças, frutas e sementes que interagem com os neurotransmissores, substâncias que permitem a comunicação entre as células do cérebro e que estão envolvidas nas emoções”, diz Lucyanna Kalluf, nutricionista e professora do Centro de Pesquisa Valéria Pascoal.

Não foram só os nutricionistas que descobriram essa ligação. A gordura do tipo ômega 3, encontrada especialmente nos peixes, tem despertado o interesse até dos psiquiatras. Segundo o francês David Schreiber, autor do livro Sete Passos para Curar – Guia Prático da Nova Medicina das Emoções (Sá Editora), esse óleo garante o equilíbrio do “cérebro emocional”, a parte ligada às emoções. Como? O ômega 3 reveste as células nervosas, ativando os receptores para a serotonina e o gaba, neurotransmissores que cuidam das mensagens do humor e apetite. O psiquiatra paulistano Wolf José Singal, especializado em medicina biomolecular, acredita que um prato bem feito pode minimizar a tristeza e a compulsão. “Os alimentos não substituem os remédios, principalmente nos casos de doenças emocionais graves, como depressão e síndrome do pânico. Mas complementam os tratamentos tradicionais”, frisa Singal.

Quer aproveitar esse lado dos alimentos? Conheça a turma dos aliados que podem deixar você com o astral lá em cima. Para que desempenhem bem o seu papel, é claro que não adianta comê-los uma vez por mês: eles têm de entrar no seu cardápio regularmente. Daí para a frente, até emagrecer fica mais fácil!

terça-feira, 25 de maio de 2010

5 motivos para amar os vegetais

5 motivos para amar os vegetais

http://www.guiame.com.br/images_materia/materia/s_2753.jpg

Por que comer vegetais pode ser bom?

Não, você não está sozinha. Existe muita gente aí que não vê graça nenhuma na família dos vegetais. Mas nós lançamos um desafio: continuar do contra depois de ler esta reportagem. Reunimos várias razões definitivas para você mudar de ideia. A primeira é científica, resultado de uma pesquisa recente, e aponta os campeões em poder antioxidante, ou seja, os alimentos que combatem o envelhecimento das células. Consumindo os eleitos dessa lista, as ruguinhas custam mais a chegar e os órgãos internos ficam mais fortes, saudáveis, cumprindo melhor suas tarefas, o que afasta aquelas terríveis doenças degenerativas, como o câncer. Mais um argumento: são vegetais amigos da balança, todos de baixíssimas calorias.

Se você ainda não se convenceu, vamos conquistá-la pela boca. Encontramos mais cinco motivos para você gostar dos vegetais. São receitas criadas pela nutricionista Cynthia Antonaccio, de São Paulo, em que os ingredientes superpoderosos se misturam magicamente e o sabor fica mais delicado. “Nada de sofrimento”, insiste a nutricionista. Jane Corona, médica nutrologista do Rio de Janeiro, autora de livros sobre as propriedades dos fitoterápicos, plantas usadas como remédios, concorda: “Você pode aproveitar as qualidades desses vegetais quase sem identificá-los. Eles vêm disfarçados no molho do macarrão, na quiche, na torta, na omelete, na massa da panqueca ou fatiados cobrindo a pizza.”

Veja as receitas e confira tudo de bom que esses alimentos podem fazer por você e o quanto deve comer para ganhar vitalidade e reforçar suas defesas.

Café da manhã é TUDO!

Às vezes, a gente não dá a menor bola para ele. Mas deveria: a primeira refeição do dia, acredite, se revelou uma domadora de balanças rebeldes.

http://boaforma.abril.com.br/imagens/mt/189-det-garota-pijama.jpg

Você é da turma que pula o café da manhã pensando em economizar calorias e acha que está fazendo um belíssimo negócio? Ou então vive numa correria danada e acaba saindo de casa com o estômago vazio? Quem sabe o seu caso é outro: ao acordar, o apetite simplesmente não dá as caras? Pois chegou a hora de rever seus hábitos pela boa razão de que fazer o desjejum ajuda a lapidar as formas mais facilmente. É isso mesmo. Rejeitar o café pode até aumentar o risco de engordar! Os especialistas fazem coro ao afirmar que a refeição matinal é essencial não só para garantir pique no dia-a-dia como também para exterminar os quilos a mais.

Comer cedinho dá energia

Pesquisas comprovam que começar o dia em jejum obriga o organismo a economizar combustível. Resultado: o gasto calórico cai e fica mais difícil eliminar as gordurinhas. Já o hábito de tomar café acelera o metabolismo, ou seja, o organismo passa a queimar mais calorias. Animada? Pois saiba que o cereal matinal tem se mostrado um dos maiores aliados na missão de enxugar medidas. Estudo realizado com 4 mil norte-americanas mostrou que aquelas que aderiram ao alimento queimaram cerca de 10% mais calorias do que as que elegeram outros ingredientes para o desjejum. Ricos em fibras, os cereais demoram mais para ser digeridos, mantendo o metabolismo a mil.

Além disso, quem come ao acordar tende a fazer melhores opções nutricionais ao longo do dia, pois evita os picos de fome. Aquelas que ficam em jejum acabam exagerando nas outras refeições e beliscando mais durante o dia. É que uma refeição saudável de manhã equilibra o organismo, limitando a nossa compulsão a alimentos ricos em açúcar e gordura.

O desjejum ajuda a emagrecer

Se ainda não se convenceu de que vale a pena se render a um copo de leite, uma frutinha ou uma tigela de cereal logo cedo, saiba que um estudo realizado pela Universidade do Colorado e de Pittsburg (EUA) e publicado na revista médica Journal of Obesity Research mostrou que o desjejum é um dos principais hábitos incorporados pelos gordinhos que fizeram as pazes com a balança. Cerca de 80% dos pacientes que perderam pelo menos 13 quilos e mantiveram o peso sob controle por mais de um ano aderiram à refeição matinal todo santo dia.

Para ajudá-la a adotar esse hábito saudável e mantê-la magrinha, elaboramos, com a ajuda da nutricionista Cynthia Antonaccio, de São Paulo (SP), um menu matinal com 35 sugestões. Divididas em P, M e G, podem ser escolhidas conforme seu estilo de vida e o tamanho da sua fome. Assim, vai ser muito mais fácil domar o apetite, driblar as tentações e fazer a fita métrica cair aos seus pés.



O Temido Culote!


O Culote é aquela gordura localizada lateralmente na região dos quadris, mas só quem o tem sabe o que ele de fato significa... Mas, afinal, porque ele existe?

Essa gordura localizada é de origem hormonal e isso explica por que apenas as mulheres possuem esse indesejável “adereço”. Mas gostando ou não, o acúmulo de gordura nessa região é um mecanismo de proteção do organismo. Sim, ela nos protege!

Devido à predominância da testosterona, hormônio masculino, o homem possui tendência a acumular gordura na região visceral (intra-abdominal, localizada próxima aos órgãos) enquanto as mulheres, que possuem predomínio do hormônio estrogênio, tendem a acumular na região subcutânea (abaixo da pele e acima da musculatura abdominal).

A gordura visceral está diretamente relacionada a doenças do coração, alguns tipos de câncer, hipertensão arterial, diabetes tipo 2, entre outras... Não é à toa que o índice de mortalidade de homens por ataques do coração até os 45 anos é muito maior que o das mulheres. Já a gordura abdominal é considerada por muitos pesquisadores como protetora, uma vez que ela não possui uma relação tão direta com essas doenças.

Outro fator muito importante é que essa ação do hormônio feminino privilegiando o acúmulo de gordura no culote acaba por diminuir as chances de acúmulo na região visceral – isso ocorre para que a gordura acumulada fique distante do útero e, em caso de gestação, distante do feto, protegendo-o da ação nociva do excesso desse tecido.

Após a menopausa, ocorre uma diminuição da produção do hormônio feminino, estrogênio, e a testosterona passa a predominar também na mulher. Esse é o fator pelo qual após essa idade o risco de mortalidade por doenças do coração das mulheres passa a ser praticamente igual ao dos homens. Nessa mesma fase, o culote passa a diminuir muito de tamanho e o acúmulo de gordura na mulher passa a ser na região abdominal, assim como nos homens. É fácil de perceber isso se pensarmos em nossas avós com suas barriguinhas avantajadas, mas praticamente sem culote.

Por isso, da próxima vez que olhar para esta parte do corpo, lembre-se dos benefícios que ela traz e não se martirize tanto por causa dela!

segunda-feira, 24 de maio de 2010

4 passos para dominar a ansiedade

Sentir ansiedade pode até ser bom, mas é preciso saber dominá-la

http://boaforma.abril.com.br/imagens/mt/201-cp-moca-dormindo.jpg

Viver com a mente agitada, aflita com o que pode acontecer entre o agora e o daqui a pouco e com a sensação de que alguma coisa está errada. Sentir a respiração acelerada e o coração batendo mais forte. Todo mundo já passou por isso. Por mais incômodo que seja, não há mal em experimentar um pouco de apreensão e expectativa em momentos específicos, como aquele que antecede um novo trabalho. “Na dose certa, a ansiedade nos impulsiona e nos ajuda a buscar soluções para os contratempos”, diz Leonardo Gama Filho, psiquiatra, chefe da psiquiatria do Hospital Municipal Lourenço Jorge, no Rio de Janeiro. O problema aparece quando, dia após dia, sem um motivo aparente, você é vítima desses sintomas.


Sentir um misto de medo e agitação tem o seu valor e garantiu a evolução da nossa espécie. “No tempo das cavernas, por exemplo, a ansiedade sinalizava que era hora de tomar uma atitude – se defender ou atacar”, explica Mariângela Savóia, psicóloga do Ambulatório de Ansiedade do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas de São Paulo. Nos dias de hoje, entretanto, o risco iminente de ser surpreendida por um animal selvagem não existe mais, ainda assim, por causa das tarefas a cumprir e dos papéis a desempenhar, muitas de nós vivemos com a sensação de que o perigo está à espreita

Segundo dados do Ambulatório de Ansiedade do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas de São Paulo, 25% da população tem, teve ou terá o transtorno de ansiedade – sendo que há três mulheres para cada homem com o problema. Esse quadro aparece quando o sentimento fica fora de controle e pode se manifestar na forma de fobias ou até mesmo como a síndrome do pânico. Os sintomas são fisiológicos (como taquicardia e falta de ar), comportamentais (quando você evita lugares e pessoas) e psicológicos (uma sensação de inquietude).

Entre uma leve apreensão e o transtorno diagnosticado, existe um estado intermediário – e é desse que vamos ajudá-la a sair. É aquela ansiedade que não compromete profundamente a sua vida, mas atrapalha as relações, porque você vive sob tensão. O desconforto aumenta sempre que se sente mais requisitada, como no fim do ano. Se está nesse estágio, calma, ainda dá para virar o jogo. Coloque em prática as dicas a seguir e passe a encarar a vida com mais equilíbrio!

Acredite em você!

Veja nossas ideias de como turbinar a autoestima e ganhar segurança

http://boaforma.abril.com.br/imagens/mt/277-casal-abracados.jpg

Autoconfiança, já!

Ninguém precisa ter um corpo de deusa para se destacar na multidão, fazer malabarismos na cama a fim de agradar o parceiro nem levantar a voz se quiser ser ouvida em uma reunião de trabalho. No amor, na profissão ou na frente do espelho, o sucesso e a felicidade que alcançamos são diretamente proporcionais à confiança que temos em nós mesmas – e que é capaz de transformar a imagem que o mundo vê da gente. Duvida? Então acompanhe nossas ideias de como turbinar a autoestima e ganhar segurança para chegar aonde você quiser.

Organize seu tempo

A malhação fica de lado por causa da agenda apertada? Saiba como resolver o problema

http://boaforma.abril.com.br/imagens/mt/garota-atrasada.jpg

Você está matriculada na academia e todos os dias se programa para malhar. Mas chega na hora e você sempre se lembra de um compromisso mais importante. Nesses casos, não tem problema: a malhação pode esperar, certo? Errado! Os exercícios físicos - e todos os outros cuidados pessoais - também devem ter um horário reservado na sua agenda. Um estudo da Universidade McMaster, no Canadá, revelou que poucos minutos de ginástica diária também podem trazer muitos benefícios para a saúde e para as curvas. Aproveitar o tempo, por menor que ele seja, para botar a malhação em dia é superválido. Mas se, mesmo assim, você ainda estiver com problemas para fazer tudo o tem que ser feito e ainda ir à academia, tudo bem! BOA FORMA ajuda você a solucionar esse quebra-cabeça.

Como planejar o dia

Segundo Christian Barbosa, especialista em administração do tempo, planejar o dia ajuda você a encontrar tempo para fazer o que precisa - e isso inclui a atividade física. "Priorize apenas aquilo que será feito. As possibilidades devem ficar de lado", aconselha. Para que o planejamento funcione e não seja mais um desperdício, é preciso assumir um compromisso com você mesma e, para isso, incluir atividades de lazer e que deem prazer é fundamental. "Saber o que você faria se tivesse mais tempo coloca você na direção certa. A resposta - seja viajar ou ficar com os filhos - é a sua meta, ou seja, coisas que você deve arranjar tempo para fazer", explica.

Como driblar os imprevistos

Se os imprevistos são os grandes culpados por grande parte das suas faltas na academia - e até em outros programas -, você pode aprender a driblá-los sem muitas dificuldades. A primeira lição é não agendar mais compromissos do que você pode cumprir. A segunda é sempre reservar um espaço para os imprevistos. E, se eles aparecerem ao longo do dia e o tempo reservado não for o suficiente, não tem problema. Sabe a lei da compensação que funciona na dieta? Funciona aqui também! "Quando organizo meu dia, sempre deixo espaço para eventuais problemas. Caso não seja suficiente, faço uma hora extra, por exemplo", diz Christian.

Rotina? Nem pensar!

Planejar o dia ajuda você a usar seu tempo de uma forma melhor. Mas cuidado para não confundir organização com rotina. Para isso, é fundamental que o planejamento não vire paranoia - afinal, tudo bem deixar a agenda para lá uma vez ou outra. "A neurose sempre faz mal. Então, recomendamos flexibilidade: planejar apenas 70% do dia e incluir atividades que você curta é importante", diz o especialista.

Para não deixar a atividade física de lado

Aqui, o objetivo é encontrar tempo para a malhação. No entanto, antes de rever a sua rotina, você precisa achar o incentivo necessário para levar seu projeto adiante. Afinal, não adianta descolar aqueles minutinhos preciosos e, mesmo assim, encontrar novas desculpas para abrir mão da ginástica. Para começar, você deve encontrar uma atividade que dê a você prazer. "Se você odeia caminhar, não perca seu tempo na esteira. Você vai desistir logo dos treinamentos", exemplifica Christian. A hora que você escolhe para malhar também influencia no seu empenho. Segundo o especialista, horário vagos entre trabalho e faculdade ou após o expediente não são as melhores escolhas. "A manhã é uma ótima opção. Acordar mais cedo dá ânimo para aguentar o dia", explica. Além disso, outro truque que pode ajudar na hora de se manter firme na malhação é encontrar um companheiro fiel para a tarefa - e pode ser até seu cachorrinho de estimação, sabia?

domingo, 23 de maio de 2010

Uma dieta que protege o coração

A Espanha lançou uma campanha, junto à Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), para transformar a Dieta do Mediterrâneo em patrimônio cultural da humanidade. É bem conhecida entre os países europeus a baixa taxa de mortalidade cardiovascular entre os povos da área do Mediterrâneo, incluindo Itália, França, Espanha e Portugal em relação aos países do norte e do leste europeu.

A explicação mais provável para esse fenômeno está relacionada à Dieta Mediterrânea, uma forma de alimentação cuja principal característica é sua riqueza em gordura monoinsaturada, o azeite. É muito importante lembrarmos que a Dieta do Mediterrâneo é muito mais que uma dieta rica em gordura saudável, pois além dela, os povos mediterrâneos consomem muitas frutas, cereais e hortaliças, vinho tinto regularmente e uma quantidade muito pequena de gordura saturada, sob a forma de carne vermelha.

Assim, não basta comer azeite, como pensam algumas pessoas, com o objetivo de proteger o coração, é importante uma variedade de alimentos saudáveis e reduzir a ingestão de gorduras saturadas. Essa é a parte mais difícil para os brasileiros, acostumados ao churrasco, à feijoada e a regar a pizza de mussarela com azeite.

O que há de tão especial nos chás?

Vocês já devem ter feito essa pergunta a alguém e devem ter ouvido respostas contraditórias.

Chá verde, chá preto, chá branco, ban-chá... Nós, ocidentais, estamos atentos aos sinais dos benefícios à saúde causados pelos chás derivados de uma planta chamada Camellia sinensis. Já nos familiarizamos com os flavonóides derivados de suas folhas e tidos como benéficos à nossa saúde.

Os outros chás utilizados nos países ocidentais não contêm flavonóides, como os chás de ervas (erva mate, mate, erva cidreira, hortelã e boldo), de flores (camomila) e de frutos (morango e maçã).

As pesquisas em animais e em células isoladas em laboratório são unânimes em mostrar que os flavonóides dos chás têm atividade contra o câncer e o diabetes, aumentam a queima de gorduras e protegem contra as doenças do coração. Mas, em relação aos efeitos em humanos, ainda não conseguimos tal comprovação.

O importante é entendermos que os orientais tomam chá o dia todo, nas refeições básicas e entre elas, servem chá nas reuniões sociais e isso é diferente da atitude ocidental de tomar uma xícara de chá, de vez em quando.

Entre nós, para prevenir doenças e emagrecer, vale mesmo a pena abolir o tabaco, evitar o sedentarismo, ter uma alimentação saudável e alcançar o peso ideal.

Perdi peso, mas não cheguei ao peso ideal...

Muitos afirmam que conseguem reduzir o peso facilmente no início do regime e quando alcançam um determinado peso, simplesmente “empacam” e não perdem mais. “Sempre que chego a esse peso eu não perco mais.”

Na verdade, fazer regime é um exercício duro de ser implementado. Exige estratégias possíveis de serem realizadas, resitência para vencer o cansaço, criatividade para vencer a monotonia e até uma certa dose de teimosia. É uma guerra!

Muitas vezes, ao alcançar uma perda variável de peso a pessoa simplemente para de emagrecer e isso pode acontecer por vários fatores.

À medida em que perdemos peso, nossa queima calórica vai se reduzindo, como uma forma do nosso corpo se proteger das nossas restrições e com isso, muitas vezes, a dieta que inicialmente fazia efeito, passa a não fazer mais.

Mas o fator mais importante para empacar os regimes é mesmo o cansaço da dieta. As pessoas passam a ser mais condescendentes, menos rigorosas com a dieta e mais permissivas com a quantidade e com os tipos de alimentos, “antes” muito bem regulados...

Para dificultar ainda mais a dieta, o peso, embora ainda não ideal, “já não está tão fora do normal” e ainda ouvimos comentários de que estamos ótimos. Isso mina a nossa resistência e dificulta a continuidade do regime.

Como ainda não chegamos ao peso ideal, a manutenção também é impossível, pois não temos pique para manter um peso que ainda não é o ideal.

Neste estágio, pode ocorrer o pior... voltamos a engordar! Afastando de vez a possibilidade do regime dar certo...

E o efeito sanfona prevalece até que tenhamos novo ânimo para recomeçar um novo ciclo.

sábado, 22 de maio de 2010

Tire a roupa e fique à vontade

Aprenda a se valorizar e drible a insegurança

http://boaforma.abril.com.br/imagens/mt/218-garota-pijama-1.jpg

De luz acesa!

Pode deixar a luz acesa! Fazer do quarto um breu total não é a única solução para você se sentir à vontade com o seu corpo na hora de tirar a roupa para o gato. Para driblar essa insegurança, o caminho passa pela sua auto-estima. Pronta para se valorizar?

Levante a mão a mulher que nunca encanou com um furinho no bumbum ou uma dobrinha a mais na barriga na hora H, prestes a se revelar por inteira ao amado. Nessa situação, bate mesmo um frio na barriga: o que ele vai achar de mim? É natural querer agradar, mas quando as suas formas se tornam um problema tão grande a ponto de não ser possível curtir a transa, o que era bom acaba virando um tormento. E quem sofre é você mesma. “Esse é um tema delicadíssimo para mim. Sempre fui insegura com a minha imagem e, pelo jeito, vou ser para o resto da vida. Não me sinto confortável em ficar totalmente nua sem apagar a luz e invejo quem faz. Isso me atrapalha, pois já deixei de ter relacionamentos que poderiam vir a ser interessantes, assim como acabei não aproveitando momentos gostosos. Não consigo mudar esse meu jeito e me sinto péssima! Devo ser extremamente exigente comigo mesma porque vivo achando mil defeitos em mim, mas nos outros, não. Confesso que não sou nada exigente em relação à beleza masculina. Gosto até dos mais feinhos. Vai entender”, desabafa uma leitora, que preferiu não se identificar. Nestas quatro páginas, você também vai ler outros depoimentos de garotas dizendo o que pensam sobre a nudez. Para tirar o assunto do escuro, o primeiro passo é compreender que beleza e sensualidade são duas qualidades bem distintas. O nosso erotismo transcende a simples imagem corporal. “O sex appeal é atitude, tesão, sentimento, autovalorização, como você se sente e como faz o homem se sentir”, define Nelma Penteado, autora do livro Inteligência Profissional e Afetiva (ed. ND) e consultora de palestras sobre a auto-estima. “Quem disse que uma estética perfeita é passaporte para o amor e para a felicidade? São tantos os pré-requisitos para gozarmos da sexualidade que o que deveria funcionar como uma fonte inesgotável de prazer vira pura frustração”, acrescenta Simone Chedid, ginecologista e terapeuta sexual da Sociedade Brasileira de Estudos em Sexualidade Humana (Sbrash), em Porto Alegre.

Casal que malha junto...

...malha mais e mais feliz.

http://boaforma.abril.com.br/imagens/mt/251-casal-academia.jpg

Ginástica a dois

A disposição do seu namorado pode ser aquele empurrãozinho que faltava para você abraçar de uma vez por todas a atividade física. Se ele já a convidou para acompanhá- lo na academia e você recusou, repense sua decisão. Como vai ver nos depoimentos a seguir, quem aceitou não se arrepende. “Malhar em dupla é, sem dúvida, muito mais estimulante do que ir para a academia sozinha. Um incentiva o outro a não faltar e até mesmo a pegar mais firme no treino”, diz Almeris Armiliato, consultor de fitness, de São Paulo. No caso de namorados ou casados, a experiência também enriquece a relação. “Durante o exercício pode acontecer um clima de cumplicidade, de carinho que, às vezes, não sobra tempo para a gente ter em casa”, fala o consultor.

O contrário também pode acontecer: você convencer seu namorado a acompanhála na sua rotina fitness. O único perigo – contornável – da malhação em dupla é perder o foco no exercício em si. “Principalmente no início, é comum a dupla deixar a malhação em segundo plano e esquecer da vida conversando, o que tira a concentração”, observa Ricardo Cunegundes, consultor médico da Body Systems, de São Paulo. Problema que se resolve com um pouquinho mais de atenção nos movimentos.

Para a malhação a dois ser um sucesso, o mais importante é compartilhar uma modalidade que seja interessante para os dois e tirar dessa experiência o melhor proveito possível. Inspire-se!

sexta-feira, 21 de maio de 2010

Proteja-se da infecção urinária

Saiba como fugir da infecção urinária, uma das piores inimigas da saúde da mulher

http://boaforma.abril.com.br/imagens/mt/264-cp-biquini-azul.jpg

Dor, ardência e urgência para urinar, incômodo no baixo ventre e, em alguns casos, sangue na urina. Você até pode não ter se deparado com esses sintomas, mas certamente tem uma amiga que já enfrentou uma infecção urinária – metade das mulheres passa por esse problema pelo menos uma vez na vida. Não resta dúvida, estamos mais suscetíveis a essa doença: para cada homem, existem 20 mulheres com esse tipo de infecção.


O que nos fragiliza é o nosso design. Para entender como nossa anatomia joga contra nós, precisamos saber como a contaminação acontece. Na maioria dos casos (cerca de 95%) é provocada por uma bactéria chamada Escherichia coli, presente normalmente na flora intestinal e, consequentemente, ao redor do ânus e no períneo (área entre o ânus e a vagina). No intestino, essa bactéria é inofensiva, mas quando ela invade as vias urinárias a coisa complica. Aí é que entra a fragilidade da anatomia feminina. A vagina fica a pouquíssimos centímetros do ânus. A uretra, canal que leva o xixi da bexiga até a vagina, é curtinha, quando comparada com a dos rapazes. A nossa mede de 3 a 4 centímetros, enquanto a deles tem mais de 10 centímetros. Com essa configuração, a bactéria que está no períneo chega mais facilmente na uretra, porta de entrada para a infecção. Da uretra para a bexiga, onde a doença começa, é um pulo!

Quando o caso complica


Recentemente, um fato chocou o país: a morte da modelo capixaba Mariana Bridi, 20 anos. Ela sofreu uma infecção generalizada, chegou a ter as mãos e os pés amputados, e tudo começou com uma infecção urinária. “A doença é simples e fácil de ser tratada, mas se não for cuidada pode, sim, complicar”, diz Luiz Estevam Ianhez, nefrologista do Hospital Alemão Oswaldo Cruz. O caso da modelo não é comum, ela foi infectada por uma bactéria atípica e o quadro evoluiu de maneira surpreendente. Porém, uma cistite, também chamada de infecção urinária baixa, mal tratada pode evoluir para uma pielonefrite, ou infecção urinária alta, caso muito mais grave porque ataca o rim, órgão vital do corpo, causando febre e dor lombar, entre outros sintomas. Nesse caso, a internação hospitalar é necessária.

8 motivos para parar de fumar já

Saiba como se livrar desse vício sem engordar um grama

http://boaforma.abril.com.br/imagens/mt/277-tesoura-corta-cigarro.jpg

As razões

1. Sua pele a salvo

Tudo bem que não dá para fugir do aparecimento de rugas e da perda de elasticidade e viço da pele, que vêm com os anos mesmo. Quem vive com o cigarro na boca, porém, vê esses problemas chegarem mais cedo. “A nicotina atrapalha a irrigação sanguínea, prejudicando a oxigenação das células cutâneas e desidratando a pele”, fala a dermatologista Roberta Teixeira, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). O resultado é uma flacidez avançada antes do tempo. Tem mais: uma mulher fumante apresenta quase o dobro de rugas do que uma que não fuma, boa parte delas em volta da boca. “Além da repetição do movimento para segurar o cigarro entre os lábios, a fumaça em contato com a pele fragiliza o colágeno da região e favorece o surgimento dos sinais”, descreve a dermatologista Renata Ferreira Magalhães, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

2. Dentes sempre brancos

Difícil conservar dentes clarinhos quando o fumo faz parte do dia a dia. “A nicotina pigmenta o esmalte, deixando-o amarelado”, fala a dentista Denise Tibério, de São Paulo. E não adianta recorrer aos métodos de clareamento para recuperar o sorriso branquinho, pois a mancha deixada pela substância é externa (diferente daquela de vinho e café, por exemplo, que penetra no dente). O ideal para removê-la é realizar limpezas manuais periódicas no consultório – e, claro, manter distância do cigarro. Mas as consequências desse mau hábito vão além da estética. “Fumar deixa a gengiva suscetível à infecção por bactérias e ao risco de periodontite, que é quando essa estrutura (que sustenta o dente) cede e os microrganismos atingem o osso, podendo ocorrer a perda do dente”, alerta o cirurgião dentista Marcelo Kyrillos, do Ateliê Oral, em São Paulo.

3. Paquera em alta

Foi-se o tempo em que mulher fumante era atraente aos olhos dos homens. Uma pesquisa feita com os leitores da revista MEN'S HEALTH mostrou que hoje a história é outra: 62% afirmaram que deixariam de abordar uma garota na balada, por mais linda que fosse, se ela tivesse um cigarro na mão. Pudera: fumar estraga o hálito (pois libera maisde 2 mil substâncias tóxicas derivadas do enxofre) e deixa pele e cabelo impregnados. Mas não é só isso. O tabaco provoca uma alteração nas cordas vocais que as faz vibrar em uma frequência característica do timbre de voz masculino, ou seja, mais grosso. Assim, não tem clima para aquela conversa de pertinho, certo?

4. Fôlego de sobra

Quem malha e fuma rende menos no treino e deixa de aproveitar boa parte dos benefícios dele, já que as toxinas do cigarro agridem o pulmão, dificultando a passagem de ar, prejudicando a oxigenação do organismo e antecipando o cansaço. “As praticantes de atividades aeróbicas (como corrida, ciclismo e natação) sentem ainda mais os prejuízos, pois essas modalidades utilizam mais oxigênio”, fala o fisiologista do exercício Paulo Zogaib, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). E, com o tempo, o quadro tende a piorar. “A partir dos 30 anos, fumantes perdem, a cada ano, o dobro da capacidade respiratória de quem não fuma”, alerta o pneumologista Sérgio Ricardo Santos, da Unifesp.

5. A vida fica mais gostosa

Menos cheiro e menos sabor. É assim, sem metade da graça, que fica a vida de quem não larga o cigarro. “Inalar o odor do tabaco todo dia satura o olfato e diminui a capacidade de sentir cheiros”, explica o otorrinolaringologista Luciano Rodrigues Neves, da Unifesp. Como olfato e paladar estão ligados, a capacidade de perceber o sabor também fica comprometida. Para piorar, fumar estimula a formação da saburra (aquela camada esbranquiçada que se forma na parte de cima da língua pelo acúmulo de resíduos de alimentos e células que se descolam naturalmente da boca). “Isso atrapalha a atividade das papilas gustativas, responsáveis por sentir o gosto dos alimentos”, completa Marcelo Kyrillos.

6. Bebê à vista

O consumo frequente de nicotina reduz em até três vezes as chances de a mulher ficar grávida. “A substância altera o funcionamento dos ovários, afetando a qualidade dos óvulos produzidos e diminuindo a regularidade das ovulações”, destaca a ginecologista Rosa Maria Neme, do Centro de Endometriose São Paulo. “E também prejudica a vascularização do útero, aumentando o perigo de aborto”, completa. O cigarro ainda encurta a fertilidade em até quatro anos, deixando, nesse período, o organismo exposto a níveis menores de estrogênio. “Sem a proteção do hormônio reprodutivo, rescem os riscos de desenvolver osteoporose, doenças cardiovasculares e colesterol alto”, alerta a médica.

7. Coração protegido

Fumantes correm 70% mais risco de sofrer um infarto em comparação com quem não fuma, porque o cigarro abre as portas do corpo para fatores de risco para a doença: promove o depósito de colesterol na parede das artérias e a oxidação dele (favorecendo a formação de coágulos que podem provocar ainda um derrame cerebral) e facilita a coagulação do sangue (dificultando a circulação). “Mais da metade dos pacientes com doenças coronárias é fumante”, aponta o cardiologista Ricardo Pavanello, do Hospital do Coração (HCor), em São Paulo. Se você toma pílula anticoncepcional, então, o perigo aumenta. “O estrogênio presente no remédio faz o sangue coagular mais rápido, aumentando os riscos de formação de trombos”, diz o cirurgião vascular Ricardo Aun, do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo.

8. Bem longe do câncer

A associação entre o cigarro e a doença é automática. E, nas mulheres, ela tem uma razão para ser mais frequente. “A combinação do tabaco com os hormônios femininos favorece a mutação de genes que podem causar câncer”, explica o pneumologista Daniel Deheinzelin, do Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo. E quem acha que só o pulmão é afetado pelo mau hábito está enganada. Nas mulheres, o tabagismo está relacionado ainda ao câncer de mama e de colo do útero. “Isso sem falar nos tumores de boca, laringe e faringe, que em 97% dos casos estão ligados ao cigarro”, afirma Daniel.